LEIA MULHERES NEGRAS

LEIA MULHERES NEGRAS

A história mais urgente a ler hoje é aquela que foi por muito tempo silenciada: a das mulheres negras. Conheça e leia algumas escritoras fundamentais, de hoje e de ontem, que venceram a opressão com a palavra e que a aler.com.pt traz agora a Portugal.  

Conceição Evaristo, autora de

 

CONCEIÇÃO EVARISTO nasceu em Belo Horizonte, 1946) e trabalhou como empregada doméstica desde criança para ajudar a sustentar a família de nove irmãos. Conseguiu concluir os estudos secundários aos 25 anos e em seguida tornou-se mestra e doutora em letras. Sua obra, com destaque para os romances Ponciá Vicêncio (2003) e Becos da memória (2006) e os contos de Olhos d’água (2014) abordam temas como a discriminação racial, de gênero e de classe. É considerada um dos maiores escritores brasileiros contemporâneos.

Cidinha da Silva, autora de

CIDINHA DA SILVA, historiadora nascida em Belo Horizonte, em 1967, presidiu o Geledés — Instituto da Mulher Negra — e fundou o Instituto Kuanza, que promove ações de educação, ações afirmativas e articulação comunitária para a população negra. Foi gestora de Cultura da Fundação Cultural Palmares. É autora, entre outros, de Um Exu em Nova York e Sobre-viventes!

 

 

Eliana Alves Cruz, autora de "Nada digo de ti que em ti não veja"

 

ELIANA ALVES CRUZ, jornalista nascida no Rio de Janeiro em 1966,  estreou com o premiado Água de barrela (2015), baseado na história de sua família, remontando até o século 19. Suas obras trazem para o protagonismo personagens negras e femininas, sempre relegadas ao segundo plano na literatura brasileira. Em 2018 publicou O crime do cais do Valongo e, em 2020, Nada digo de ti, que em ti não veja, romances históricos ambientados no Rio de Janeiro. 

Sojourner Truth, autora de "E eu não sou uma mulher?"

 

SOJOURNER TRUTH foi uma escravizada e abolicionista nascida no estado de Nova York por v0lta de 1797. Foi a primeira ex-escravizada a processar um senhor de escravos, para recuperar a posse de seu filho de cinco anos. Sua narrativa autobiográfica, publicada em 1850, causou profundo impacto no público e impulsionou a luta abolicionista. Ficou famosa pelo discurso “E eu não sou uma mulher?” proferido em uma convenção feminista em 1851. 

Harriet Ann Jacobs, autora de "Incidentes na vida de uma escrava"

 

HARRIET ANN JACOBS foi uma escravizada e abolicionista nascida de pai branco, “senhor” de sua mãe, na Carolina do Norte em 1813. Fugiu para Nova York e de lá contribuiu com a fuga de escravizados sulistas para o norte livre. Colaborou com lideranças abolicionistas e feministas. Sua biografia “Incidentes na vida de uma escrava” é considerado um clássico norte-americano. 

Nella Larsen, autora de

NELLA LARSEN nasceu em Chicago, em 1891, filha de um negro do Caribe e de uma dinamarquesa. Passou a infância em um bairro pobre e branco e a vida adulta na elite negra do Harlem. Seus livros, com fortes traços autobiográficos, falam do eterno deslocamento de uma pessoa mestiça em um mundo em preto ou branco. Passando-se trata de duas mulheres legalmente negras que “passam-se” por brancas na sociedade segregada dos Estados Unidos e foi redescoberto como marco do feminismo negro e do colorismo. 

Teresa Cárdenas, autora de "Cachorro Velho"

 

TERESA CÁRDENAS é uma  escritora, atriz e ativista social cubana, nascida em Matanzas, em 1970. Sua motivação para tornar-se escritora veio na infância, quando começou a ler e ficou frustrada com a ausência de personagens negras nos livros infantis. Ganhou o Prêmio Casa de las Américas de 2005 com o romance Cachorro Velho